BED TRIP: A CAMA MULTIUSO DOS MILLENNIALS

BED TRIP: A CAMA MULTIUSO DOS MILLENNIALS


Os millennials são responsáveis por mais uma mudança radical nos estilos de vida: o relacionamento dos indivíduos com a cama, esse nada obscuro objeto de desejo...

Até pouco tempo atrás lugar do repouso, do sono e do sexo, a cama enveredou pelo século XXI – para alguns, será “o século da cama” - como um dos móveis mais versáteis da casa, exemplo de arquitetura horizontal, agregando usos múltiplos e transformando-se em uma espécie de hub das atividades cotidianas, cada vez mais comandadas desde o aconchego do lar.

 

ODES_Sinais_Bed Trip_CAMA MULTITASKING_neri_and_hu_pair

Cama multitasking projetado pelo casal de designers Mary and Hu Pair. Foto: divulgação.

TRABALHO, CORPO, LAZER

 

Alguns enquadraram esse movimento numa história mais ampla, a que se deu o nome de homebody economy, que se explica pelo fato de que os indivíduos estariam reduzindo ao máximo a sua vida social “física e real”, em troca de experiências caseiras cada vez mais satisfatórias, como toda sorte de entretenimento digital via telas, on demand. Para os millennials, dizem, ficar é o novo sair...

Para a Geração Millennial, ficar é o novo sair

De qualquer forma, não se trata só de diversão, já que a cama contemporânea está se transformando, também, no epicentro das atividades de trabalho em casa e de uma nova abordagem do corpo, feita de bem-estar, relaxamento e busca de prazeres sensoriais.

 

Chubby Cloud. Foto: reprodução internet.

 

É sempre bom lembrar que macrotendências se constroem em camadas, que se sedimentam ao longo do tempo. Nesse sentido, Bed Trip também tem a sua genealogia, isto é, seus precedentes e eventos antecipatórios, que agora são resgatados, como referências.

Mesmo quem não viveu nos anos 1960, tem a referência da imagem, amplamente massificada, de John Lennon e Yoko Ono em sua cama, numa atitude transgressiva, de crítica social, com mensagem pacifista.

 

ODES_Sinais_Bed Trip_john-lennon-yoko-ono

O casal John Lennon e Yoko Ono em seu célebre bed-in manifesto, no final dos anos 1960. Foto: internet.

 

É interessante lembrar, também, que o estilo de vida in bed foi uma espécie de motivo recorrente ao longo dos anos 1970 – tão influentes hoje em dia, sob vários aspectos. Imagens do período mostram, por exemplo, o empresário Hugh Hefner (da marca Playboy) trabalhando em sua cama. A ideia da cama como ilha de prazer também foi bastante difundida naquela época de liberação sexual.

 

ODES_Sinais_Bed Trip_Hugh Hefner

Hugh Hefner, dono da marca Playboy, trabalhando em sua cama. Foto: internet.

 

Sinais atuais da nova cama referenciam-se diversas vezes nessas imagens icônicas, mas com uma carga bem menor de transgressão.

 

NA HORIZONTAL

 

Na 16ª Bienal de Arquitetura de Veneza (2018), uma instalação do pavilhão holandês abriu espaço, justamente, para o debate sobre esse novo estilo de vida em torno da cama, em uma sociedade dominada pelas redes sociais. Organizados pela professora e historiadora da arquitetura Beatriz Colomina, os talks foram realizados, como não poderia deixar de ser, no melhor estilo John e Yoko...

 

ODES_Sinais_Bed Trip_Beatriz Colomina

A professora e pesquisadora Beatriz Colomina recebeu para talks in bed na Bienal de Arquitetura de Veneza do ano passado. Foto: divulgação.

 

Uma das conclusões dos debates é que discutir o que as pessoas pensam e fazem na cama, hoje, é algo tão sério que pode afetar, até mesmo, o modo como desenharemos as cidades do futuro.

 

BED TIME

 

A marca de design italiana Cassina foi uma das que embarcaram na Bed Trip para comunicar o lançamento da coleção This will be the place (este vai ser o lugar).

 

ODES_Sinais_Bed Trip_Cassina

Uma das imagens da campanha produzida pela marca italiana Cassina para a coleção "This will be the place". Foto: reprodução.

COLA AKI

 

Sucesso no Youtube e na MTV, o grupo musical californiano The Internet emplacou em 2018 o hit Come Over, que fala de relacionamentos na era digital, com várias cenas na cama servindo como pano de fundo...

 

DESKFOBIA

 

O designer Geoffrey Pascale, da Academia de Eindhoven, propôs uma coleção de móveis para escritórios baseados na ideia de que as pessoas trabalham cada vez mais nas suas camas. O nome da coleção – Grafeiphobia – refere-se a medo ou aversão de escrivaninhas e mesas de escritório...

 

ODES_Sinais_Bed Trip_Geoffrey-Pascal2

Acima e abaixo, imagens do projeto Grafeiphobia, de Geoffrey Pascal, da Academia de Eindhoven. Fotos: divulgação.

 

ODES_Sinais_Bed Trip_Geoffrey-Pascal

 

Os produtos sugerem diversas posições pouco ortodoxas para trabalhar e foram desenvolvidos com base em pesquisas da Nasa sobre a posição neutra do corpo (aquela em que o corpo sofre menos, quando está em situação de gravidade zero).

 

CAMA, UM ESTILO DE VIDA

 

A cama de hoje é um concentrado do próprio universo millennial, povoada ou circundada pelos aparelhos e gadgets que realmente importam e que permitem que a vida siga em paz - só que é uma outra paz que se busca, diferente daquela da geração de John Lennon.

ODES_Sinais_Bed Trip_Cassina2

Da marca de design Cassina, campanha "This will be the place". Foto: reprodução.

 

Esse objeto de design horizontal permite fazer home office, assistir à Netflix ou a vídeos no Youtube, encetar longas sessões de games, com o smartphone sempre à mão e a comida pedida em dois cliques.

O dia termina...na cama, lugar de encontros agenciados via Tinder ou Grindr, a depender da orientação sexual do freguês.

*Conteúdo originalmente publicado no ODES Report Insights & Tendências de Comportamento e Consumo, de janeiro/2019, uma publicação exclusiva do Observatório de Sinais, distribuída com exclusividade a clientes, parceiros e prospects. Informações: cesalles@observatoriodesinais.com.br


download