O ‘Novo Homem’ Ano 15 – Parte 1

O ‘Novo Homem’ Ano 15 – Parte 1


[photopress:Prancha_NovoHomem2_2_1_2.jpg,thumb,alignleft]

Há 15 anos, em 1995, acontecia em São Paulo o inovador seminário ‘O Novo Homem’, no qual o sociólogo Dario Caldas discutia a ‘crise do masculino’ e as mudanças comportamentais e estéticas que estavam modificando não só a sociedade e as relações entre os gêneros, como também o próprio mercado, ao abrir espaço para novos produtos e oportunidades de negócios.

O pano de fundo era a série de questionamentos por que vinha passando o modelo tradicional do ‘macho’, até como contraponto às mudanças da própria mulher. Um ponto importante eram os reflexos nos papeis masculinos - o pai, o provedor – e na afetividade, com a emergência da figura do ‘homem sensível’.

Alguns temas, muito atuais ainda hoje, já estavam presentes naquele momento, como o ‘boom’ de produtos cosméticos e de cirurgias estéticas para homens, a força do nicho GLS e o espaço para uma moda masculina mais criativa. Na estética, o Zeitgeist trazia um forte perfume de androginia, a techno culture e o streetwear estavam em plena ascensão, sintetizados por marcas como a W<, do estilista belga Walter Van Beirendonck.
[photopress:Prancha_NovoHomem1_2.jpg,resized,centered]
De lá para cá, o assunto continuou a ser estratégico, permanecendo como território quente para as tendências do Observatório de Sinais. Esporadicamente, o tema do 'novo perfil’ masculino volta a ser manchete nas mídias. Essa constância se explica de um lado pela própria definição de macrotendência como movimento sociocultural duradouro, e de outro pelo forte interesse do público.

Mas se o foco geral nas mudanças comportamentais e alguns temas continuam presentes e atuais, nem tudo simplesmente ‘continuou’ nesse intervalo de quinze anos. Nem todo 'boom' prometido aconteceu e a ideia de 'crise masculina' envelheceu. O mercado - focado no consumo feminino e jovem - continua carente de informação estratégica, empregando com frequência uma comunicação de marca ou de produto inadequada ao comportamento dos homens de hoje. Para fazer um balanço dessa história, de sua evolução e dos novos drivers que se impõem para o consumo masculino, o ODESblog vai publicar uma série de posts especiais, que você pode acompanhar também na nossa página no Facebook.

Compartilhar


download

nenhum post

COMMENTS

LEAVE A REPLY

O seu endereço de e-mail não será publicado.